Uma cidade em silêncio: as memórias das Sete Quedas em Guaíra

Imagem de Miniatura

Data

2023

Autores

Moreira da Silva, Rubia Primo

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Resumo

Esta pesquisa visa analisar como a cidade de Guaíra enfrentou o silêncio, a ausência e o sentimento de perda do seu patrimônio natural, especificamente as Sete Quedas, após a inundação do Parque Nacional Sete Quedas devido à construção do Reservatório da Usina Hidrelétrica de Itaipu em 1982. Pretendo também explorar a resistência da comunidade e o movimento Quarup contra o alagamento das Sete Quedas. A análise se concentra na transformação de Guaíra antes e depois do alagamento, e na importância das Sete Quedas como atração turística para a cidade. Mesmo após o alagamento em nome do progresso, as memórias desse patrimônio natural ainda persistem na cidade. Atualmente, resquícios desse patrimônio natural são preservados por meio de instituições como o Museu Sete Quedas e o Cine Teatro Sete Quedas, assim como por vários outros estabelecimentos que adotaram o nome Sete Quedas. Gondar e Dodebei (2005) argumentam que as pessoas preservam o que amam e amam o que conhecem, enfatizando que a memória é um conjunto de representações. Essas escolhas demonstram a estratégia adotada pelos habitantes de Guaíra para lidar com a perda, mantendo viva a herança histórica e conservando as memórias da comunidade.

Descrição

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Instituto Latino-Americano de Arte, Cultura e História da Universidade Federal da Integração Latino-Americana, como requisito parcial para a obtenção de título de licenciado em História - Licenciatura.

Palavras-chave

memórias; Sete Quedas; alagamento; resistência

Citação