Colônias Macroscópicas de Diatomáceas de Riachos: uma Contribuição para Documentação da Biodiversidade Neotropical

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2022

Autores

Souza, Mariana Albuquerque de

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Resumo

Diatomáceas são algas unicelulares, pertencentes à divisão Bacillariophyta, que representam um importante componente de teias tróficas em ambientes lóticos. Essas algas são capazes de exibir uma grande diversidade de formas de crescimento graças a capacidade de organização colonial presente em algumas espécies. Embora esse seja um aspecto ainda bastante negligenciado em literatura, a organização colonial em diatomáceas é um atributo de importante significado ecológico e a arquitetura colonial constitui um caráter taxonômico relevante para o grupo. Assim, o presente estudo teve como objetivo analisar e descrever colônias macroscópicas de diatomáceas bentônicas na Bacia Hidrográfica do Rio Paraná 3. Para tanto, foram realizadas amostragens de 17 riachos de segunda ou terceira ordem nos meses de fevereiro, julho e novembro de 2019. As amostragens foram conduzidas por meio da técnica de transecção em trechos de 10 metros em cada riacho, e as amostras coletadas foram preservadas em formaldeído 4%. Alíquotas das amostras coletadas foram oxidadas para a produção de lâminas permanentes, por meio das quais as espécies foram identificadas no menor nível taxonômico possível. Foram apresentadas descrições e fotomicrografias das espécies e suas colônias, localização dos pontos de coleta, percentual de cobertura das formações coloniais amostradas, espécies associadas às formações, características ambientais dos locais de coleta e comentários taxonômicos, quando cabíveis. Ao todo, foram analisadas 26 populações de diatomáceas, pertencentes a oito espécies: Diadesmis confervacea Kützing, Eunotia didyma Grunow ex Zimmermann, Hydrosera whampoensis (A.F.Schwarz) Deby, Melosira varians C. Agardh, Pleurosira laevis (Ehrenberg) Compère, Terpsinoë musica Ehrenberg, Ulnaria sinensis Liu, Williams & Tan e Ulnaria ulna (Nitzsch) Compère. Os morfotipos coloniais identificados foram quatro: colônias em fitas, em zigue-zague, filamentosas e radiadas aderidas a uma base mucilaginosa comum. As espécies mais representativas foram P. laevis, U. ulna e H. whampoensis. Estudos com diatomáceas comumente não contemplam materiais não oxidados, de forma que a descrição de colônias representa um importante aporte para a taxonomia do grupo. Os resultados obtidos contribuem com a documentação da biodiversidade de algas e com o mapeamento de espécies de diatomáceas formadoras de colônias macroscópicas na região Neotropical.

Descrição

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Instituto Latino-Americano de Ciências da Vida e Natureza da Universidade Federal da Integração Latino-Americana, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Ciências Biológicas – Ecologia e Biodiversidade.

Palavras-chave

Bacillariophyta. Ambientes lóticos. Taxonomia. Florístico. Macroalgas

Citação