A representação da família negra de classe média brasileira e a produção independente de curta-metragens

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2020-05-20

Autores

Santos, Carolina Santana

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Resumo

Utilizando-se da análise dos filmes Deus (Vinícius Silva, 2017), Nada (Gabriel Martins, 2017) e Pele suja minha carne (Bruno Ribeiro, 2016) este trabalho tem como objetivo discutir como o nicho de produção cinematográfica de curta-metragens independentes tem preenchido a lacuna na representação da família negra de classe média brasileira. Dialogando com o que se entende como movimento de Cinema Negro Brasileiro se buscará encontrar afinidades tanto do ponto de vista temático especialmente a partir de um pensamento interseccional, assim como da posição ocupada pelas cineastas negras e suas obras no mercado cinematográfico.
A partir del análisis de las películas Deus (Vinícius Silva 2017), Nada (Gabriel Martins, 2017 y Pele suja minha carne (Bruno Ribeirto, 2017) este trabajo tiene como objetivo cómo el nicho de producción independiente de cortometrajes ha llenadoun vacío em la representación de la mailia negra de clase media brasileña. Dialogando con lo que se entiende como movimiento de Cine Negro Brasileño se buscará encontrar afinidades como de la posición ocupada por las cineatras negras y sus obras em el mercado cinematográfico.

Descrição

Artigo de Conclusão de Curso apresentado ao Instituto Latino-Americano de Arte, Cultura e História da Universidade Federal da Integração Latino-Americana, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Cinema e Audiovisual.

Palavras-chave

Cinema Negro Brasileiro, Representação - interseccionalidade

Citação

SANTOS, Carolina Santana; DÁVILA, Ignacio Del Valle. A representação da família negra de classe média brasileira e a produção independente de curta-metragens. 2020. 15 p. Artigo de Conclusão de Curso (Graduação em Cinema e Audiovisual) – Universidade Federal da Integração Latino-Americana, Foz do Iguaçu, 2020.