Interações medicamentosas em unidades de emergência médica, um relato de caso.

Nenhuma Miniatura disponível

Data

2024

Autores

Hermes, Daniele

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Resumo

As interações medicamentosas podem definir o sucesso ou não de um tratamento, ademais, é importante considerar particularidades sobre os pacientes, como no caso, em que a enferma é puérpera, que também podem refletir no desfecho dos tratamentos. Assim, uma mulher de 16 anos de idade foi admitida em uma unidade de emergência de Foz do Iguaçu e de acordo com sua mãe, a paciente havia sido acometida por duas crises convulsivas seguidas de cefaleia. Durante o tratamento, ela recebeu 2ml de dipirona sódica 500mg/ml via endovenosa, além de 2 ml de metoclopramida 5mg/ml para o controle dos sintomas. Após 12 horas de observação foi liberada, porém as crises convulsivas retornaram no dia seguinte. A nova prescrição incluiu uma dose de Diazepan 10mg mais Fenobarbital 100mg, bem como uma tomografia craniana que não demonstrou alterações. Durante a entrevista com a familiar, verificou-se que havia diagnóstico de epilepsia desde os 12 anos em tratamento com Lamotrigina 25mg e Carbamazepina 200mg duas vezes ao dia, ademais, a paciente era puérpera de 22 dias. Nesse sentido, o objetivo desse relato de caso foi discutir sobre o potencial risco para a paciente da polifarmácia, especialmente no sentido da interação medicamentosa, além da duplicação ou contraindicação medicamentosa no cuidado da emergência. O desfecho do caso mostrou que é fundamental refletir sobre a farmacocinética dos anticonvulsivantes, especialmente durante o puerpério, para que o sucesso do tratamento seja atingido.

Descrição

Palavras-chave

Interações medicamentosas, puerpério, unidades de emergência

Citação

Coleções