Reuso do calcário dolomítico saturado com nutrientes como corretivo e fertilizante em solos agrícolas e seu impacto no desempenho agronômico do feijão.

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2024

Autores

Legal, Lisa Eliana Samudio

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Resumo

As iniciativas de economia circular visam reduzir o uso de recursos, valorizar subprodutos e reaproveitar resíduos com pensamento não linear. Ao mesmo tempo, reduz as emissões de gases de efeito estufa e pode, portanto, ser utilizado para combater as mudanças climáticas. Por meio da abordagem da economia circular, pretende-se melhorar a fertilidade química do solo, valorizando os resíduos gerados durante o processo de adsorção, recuperando-os e reutilizando-os. Por esse motivo, no presente estudo avaliou-se o reuso do calcário dolomítico saturado com nutrientes adsorvidos do efluente hidropônico como corretivo e fertilizante em solos agrícolas e seu impacto no desempenho agronômico do feijão. Para isso foi utilizado um delineamento experimental completamente casualizado, onde foram aplicados 4 tratamentos com 5 repetições, totalizando 20 unidades experimentais para cada tipo de solo. A caracterização do calcário dolomítico foi realizada antes e após a saturação com nutrientes do efluente. As propriedades dos solos arenosos e argilosos foram estudadas após correção com calcário dolomítico saturado, em comparação com calcário dolomítico in natura e calcário dolomítico granulado durante o período de incubação de 30, 60 e 90 dias. Os parâmetros de desempenho agronômico do feijão também foram avaliados para verificar a disponibilidade de nutrientes para a planta e, além disso, foi caracterizado o tecido vegetal para verificar a absorção de nutrientes no grão do feijão. Após a colheita da cultura, foram analisadas as propriedades químicas do solo, para avaliar o comportamento de suas propriedades ao final dos estudos. Os resultados dos ensaios de adsorção indicaram que o calcário dolomítico retém fósforo, manganês, cálcio e zinco. A composição elementar do calcário dolomítico é: C, O, Mg, Ca e Si. No calcário dolomítico in natura foi observado a presença majoritária de carbonatos de cálcio e magnésio; após o processo de adsorção, foi observado aumento de grupos carbonatos, devido à adsorção do cálcio do efluente hidropônico. O teor de cálcio aumentou de 37,84% (calcário dolomítico in natura) para 38,74% (calcário dolomítico saturado), enquanto o poder de neutralização acrescentou de 97,59% a 99,92%. O calcário dolomítico saturado possui boa afinidade com solos arenosos e argilosos, destacando sua qualidade de melhorar as propriedades químicas do solo, aumentando os níveis de pH, cálcio, magnésio e fósforo, além de reduzir completamente os teores de alumínio; fazendo com que a cultura tenha bom desenvolvimento, considerando os resultados obtidos para os parâmetros de desempenho agronômico e os teores de nutrientes encontrados no feijão, principalmente de fósforo. Além disso, os níveis de pH, cálcio e fósforo nos solos continuaram a melhorar após a colheita do feijão. Tudo isso indica que o calcário dolomítico é um bom adsorvente de nutrientes e uma vez saturado, pode ser reutilizado para manter a fertilidade do solo, sendo uma alternativa promissora no cultivo do feijão.

Descrição

Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Energia e Sustentabilidade da Universidade Federal da Integração Latino-Americana, como requisito parcial à obtenção do título de Doutor em Energia e Sustentabilidade.

Palavras-chave

Efluente hidropônico, Calcário dolomítico, Corretivo da acidez do solo

Citação

Coleções