Show simple item record

dc.contributor.advisorOrientação
dc.contributor.authorHentz Júnior, Elmar José
dc.contributor.authorPires Lima, Laura Cristina
dc.date.accessioned2022-06-22T20:41:18Z
dc.date.available2022-06-22T20:41:18Z
dc.date.issued2022
dc.identifier.urihttp://dspace.unila.edu.br/123456789/6640
dc.descriptionDissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Neotropical, do Instituto Latino-Americano de Ciências da Vida e da Natureza da Universidade Federal da Integração Latino-Americana, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Biodiversidade Neotropical.pt_BR
dc.description.abstractApesar da Argentina e do Brasil estarem entre os países com a maior riqueza de plantas vasculares no mundo, a flora de ambos permanece pouco estudada, especialmente nas áreas de Floresta do Alto Paraná. Uma parte desta formação florestal é mantida conservada no oeste do Paraná e na província de Misiones, região onde se encontram os Parques Nacionais do Iguaçu e Iguazú. Assim, tendo em vista a baixa quantidade de estudos florísticos realizados nestes parques, realizamos a sinopse taxonômica das famílias Bignoniaceae, Plantaginaceae e Scrophulariaceae dos Parques, dando continuidade aos estudos da Ordem Lamiales nos mesmos. Apresentamos chaves de identificação, ilustrações e pranchas de fotos, comentários sobre a distribuição das espécies, seu habitat e fenologia, com o objetivo de enriquecer o conhecimento acerca da diversidade vegetal da região. Entre as três famílias 41 espécies foram aqui estudadas. Bignoniaceae é a família com a maior riqueza representada por 29 espécies, seguida de Plantaginaceae com 10 e Scrophulariaceae com duas. Para Bignoniaceae os gêneros Dolichandra e Fridericia foram os que apresentaram maior riqueza, com cinco espécies cada. Para Plantaginaceae o gênero com maior riqueza é Stemodia com quatro espécies e para Scrophulariaceae. Vale ressaltar a presença de espécies classificadas com algum grau de perigo e que são encontradas nos parques, sendo, Handroanthus impetiginosus e Mecardonia grandiflora listadas como quase ameaçada, e Stemodia hyptoides como vulnerável. Desta maneira, nossos resultados demonstram a importância de se expandir o conhecimento sobre a flora da região, contribuindo para a manutenção de planos de manejo e facilitando projetos de conservação.pt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsopenAccess
dc.subjectTaxônomiapt_BR
dc.subjectMata Atlântica de Interiorpt_BR
dc.subjectFloresta Estacional Semidecidualpt_BR
dc.subjectFloresta Ombrófila Mistapt_BR
dc.titleSinopse Taxonômica de Bignoniaceae, Plantaginaceae e Scrophulariaceae (Lamiales) nos Parque Nacionais do Iguaçu e Iguazú (Brazil e Argentina)pt_BR
dc.typemasterThesispt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record