A dependência Latino-Americana: determinações e reverberações críticas

Carregando...
Imagem de Miniatura

Data

2017-12-14

Autores

Carvalho, Gabriel Araújo

Título da Revista

ISSN da Revista

Título de Volume

Editor

Resumo

A conquista americana se constitui enquanto produto direto da expansão econômica europeia, cujo pioneirismo transforma Portugal numa potência do século XVI. Esse expansionismo integra a América Latina à economia mundial de modo a convertê-la em provedora daqueles bens primários demandados pelos países da Europa, em especial pela Inglaterra. Assim, a conformação das economias latino-americanas é marcada pela subordinação a demandas alheias e modificação interna das relações de produção e dos interesses envolvidos, os quais geram estruturas cujas determinações essenciais estão intimamente atreladas à relação desigual que se consolida com a Europa e são próprias do capitalismo dependente. Os elementos que derivam do vínculo subalterno da América Latina determinam não somente a forma como a sociedade se organiza como também os limites e possibilidades do desenvolvimento capitalista na América Latina. Dessa forma, o presente trabalho pretende apontar alguns aspectos das leituras de Caio Prado Júnior e Celso Furtado sobre a formação brasileira e, posteriormente, contrapô-las, de modo introdutório, a algumas das interpretações da teoria marxista da dependência, cuja compreensão da realidade latino-americana parte das suas determinações essenciais, diferente daqueles dois. Assim, nos propomos a refletir sumariamente sobre o processo de industrialização latino-americana enquanto reconfiguração da dependência, cuja superação não se pode dar nos marcos do capitalismo. Recorremos ao materialismo histórico-dialético para formular esta tese.
La conquista americana se constituye como producto directo de la expansión económica europea, cuyo pionerismo transforma a Portugal en una potencia del siglo XVI. Este expansionismo integra a América Latina a la economía mundial para convertirla en proveedora de aquellos bienes primarios demandados por los países de Europa, en especial por Inglaterra. Así, la conformación de las economías latinoamericanas está marcada por la subordinación a demandas ajenas y modificación interna de las relaciones de producción y de los intereses involucrados, los cuales generan estructuras cuyas determinaciones esenciales están íntimamente ligadas a la relación desigual que se consolida con Europa y son propias del capitalismo dependiente. Los elementos que derivan del vínculo subalterno de América Latina determinan no sólo la forma en que la sociedad se organiza, sino también los límites y posibilidades del desarrollo capitalista en América Latina. De esta forma, el presente trabajo pretende apuntar algunos aspectos de las lecturas de Caio Prado Júnior y Celso Furtado sobre la formación brasileña y, posteriormente, contraponerlas, de modo introductorio, a algunas de las interpretaciones de la teoría marxista de la dependencia, cuya comprensión de la realidad latinoamericana parte de sus determinaciones esenciales, a diferencia de aquellos dos. Así, nos proponemos reflexionar sumariamente sobre el proceso de industrialización latinoamericana como reconfiguración de la dependencia, cuya superación no se puede dar en los marcos del capitalismo. Recurrimos al materialismo histórico-dialéctico para formular esta tesis
The American conquest is a direct product of European economic expansion, whose pioneerism turns Portugal into a power of the sixteenth century. This expansionism integrates Latin America into the world economy in order to convert it into a supplier of those primary goods demanded by the countries of Europe, England in particular. The conformation of the Latin American economies is thus marked by its subordination to demands of others and internal modification of the relations of production and of the interests involved, which shape structures whose essential determinations are intimately linked to the unequal relationship consolidated with Europe and that is characteristic of dependent capitalism. The elements that derive from the subaltern bond of Latin America determine not only how society is organized but also the limits and possibilities of the capitalist development in Latin America. In this way, this work intends to point out some aspects of the observations of Caio Prado Júnior and Celso Furtado about the Brazilian formation and, later, to counter them, in an introductory way, to some of the interpretations of the Marxist theory of dependence, whose understanding of the Latin American reality is based on its essential determinations, different from those two. Thus, we propose to preliminarily reflect about the process of Latin American industrialization as a reconfiguration of dependence, which cannot be overcame in the framework of capitalism. We have used the historical-dialectical materialism to state this thesis

Descrição

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Instituto Latino-Americano de Economia, Sociedade e Política da Universidade Federal da Integração Latino-Americana, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Relações Internacionais e Integração. Orientadora: Profa. Dra. Marina Machado de Magalhães Gouvêa

Palavras-chave

Dependência latino-americana, História latino-americana, Economia mundial, Industrialização dependente

Citação

CARVALHO, Gabriel Araújo. A dependência latino-americana: determinações e reverberações críticas. 2017. 79 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Relações Internacionais e Integração) – Universidade Federal da Integração Latino-Americana, Foz do Iguaçu, 2017