Show simple item record

dc.contributor.advisorOrientação
dc.contributor.authorPintor, Geisiane Michelle Zanquetta de
dc.date.accessioned2021-07-26T18:37:23Z
dc.date.available2021-07-26T18:37:23Z
dc.date.issued2020-12
dc.identifier.urihttp://dspace.unila.edu.br/123456789/6223
dc.description.abstractA agricultura orgânica baseia-se no uso de métodos de cultivos ecológicos, alternativos à agricultura convencional, com o intuito de preservar o meio ambiente. A expansão do mercado mundial de produtos orgânicos decorreu da preocupação com a degradação ambiental e com a segurança do alimento. Entretanto, os produtores orgânicos brasileiros enfrentam desafios tanto no processo produtivo quanto para acessarem o mercado internacional orgânico. Neste contexto, o objetivo deste estudo foi analisar a evolução da produção orgânica e os desafios para produção e exportação dos produtos orgânicos brasileiros, particularmente para o mercado europeu. Para analisar a evolução da produção orgânica foram coletados dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e Research Institute of Organic Agriculture (FiBL) sobre a área agropecuária, número de estabelecimentos e de produtores, vendas no varejo, consumo per capita e exportações. Os dados disponíveis mostraram o crescimento contínuo da produção orgânica mundial entre 2000 e 2018. A análise do comércio mundial de orgânicos foi realizada por meio do Modelo Gravitacional. A equação gravitacional estimada utilizou como variável dependente as exportações mundiais de orgânicos. Já as variáveis independentes foram: o Produto Interno Bruto (PIB) e a população dos países exportadores de orgânicos, o PIB e a população da América do Norte e União Europeia, além da área agrícola destinada à produção orgânica tanto dos países exportadores quanto da América do Norte e União Europeia. De acordo com o resultado do modelo, as variáveis determinantes das exportações de orgânicos foram o PIB dos países exportadores, bem como o PIB, a população e a área agrícola orgânica da América do Norte e da União Europeia. Além disso, também foram realizadas entrevistas com agricultores familiares orgânicos brasileiros a fim de investigar os desafios que estes produtores tem encontrado na produção e comercialização de orgânicos. Eles responderam questões relacionadas à produção de orgânicos, aos desafios enfrentados, à importância das políticas públicas para o setor, à certificação e ao acesso ao mercado europeu. Em relação às dificuldades na produção, mencionaram fatores como alto custo e burocracia da certificação, falta de pagamento diferenciado pelo produto orgânico e indisponibilidade de insumos orgânicos. Já em relação aos desafios para exportação para o mercado orgânico europeu, relataram problemas como a falta de conhecimento do processo de exportação, dificuldade na obtenção da certificação orgânica europeia, falta de conhecimento da legislação orgânica europeia e do mercado europeu, bem como a escala de produção para exportação. Os produtores entrevistados consideram as políticas públicas importantes para o desenvolvimento da agricultura orgânica no Brasil, mas que necessitam ser aprimoradas para atender as necessidades dos produtores familiares orgânicos.pt_BR
dc.rightsopenAccess
dc.subjectagropecuária orgânica; agricultores familiares orgânicos; exportações; certificação.pt_BR
dc.titleExpansão da agricultura orgânica e os desafios enfrentados por produtores brasileiros na produção e exportação de orgânicospt_BR
dc.typedoctoralThesispt_BR


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record