Show simple item record

dc.contributor.advisorPereira, Diana Araújo
dc.contributor.authorBarbosa, Mirian Carla
dc.date.accessioned2018-07-18T12:48:00Z
dc.date.available2018-07-18T12:48:00Z
dc.date.issued2018
dc.identifier.citationBARBOSA, Mirian Carla. Tirar foto é fácil, quero ver quem se retrata: literatura, autorrepresentação e periferias. 2018. 98 p. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Estudos Latino-Americanos) - Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), Foz do Iguaçu, 2018.pt_BR
dc.identifier.urihttp://dspace.unila.edu.br/123456789/3852
dc.descriptionDissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Estudos Latino-Americanos da Universidade Federal da Integração Latino-Americana, como requisito parcial à obtenção do título de Mestra em Estudos Latino-Americanos. Orientadora: Prof. Dra. Diana Araujo Pereirapt_BR
dc.description.abstractPensar nas relações entre literatura e território, dada a fecundidade do campo, implica adentrar em um terreno poroso e em litígio. Há que se considerar a multiplicidade de abordagens admissíveis e miradas possíveis. Este trabalho visa à aproximação de uma de suas facetas: o papel da autorrepresentação do sujeito periférico na construção de “novos horizontes e paisagens”, dentro da literatura contemporânea produzida no Brasil. Nesse caminho, se apresentam como guias os textos de Mano Zeu, de Foz do Iguaçu (PR), compartilhados em uma página do Facebook e, também, a obra física de Ferréz, de São Paulo (SP). A partir destes poemas, por meio de uma leitura interdisciplinar, se busca a compreensão de como estão apresentadas as referências espaciais, culturais e políticas na escrita. Também é muito importante perceber se – e de que forma – a relação com o território é tomada para que se construam memórias e identidades “periféricas”pt_BR
dc.description.abstractPensar en las relaciones entre literatura y territorio, dada la fecundidad del campo, implica adentrarse en un terreno poroso y en litigio. Hay que considerar la multiplicidad de enfoques admisibles y miradas posibles. Este trabajo pretende acercarse a una de sus facetas: el papel de la auto-representación del sujeto periférico en la construcción de 'nuevos horizontes y paisajes', dentro de la literatura contemporánea producida en Brasil. En ese camino, se presentan como guías los textos de Mano Zeu, de Foz do Iguaçu (PR), compartidos en una página de Facebook, y la obra de Ferréz, de São Paulo (SP). Con ellos, por medio de una lectura interdisciplinaria, se busca la comprensión de cómo se presentan las referencias espaciales, culturales y políticas en la escritura. También es muy importante percibir si – y de qué forma – la relación con el territorio es tomada para que sean construidas una memoria y una identidad "periféricas"
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsopenAccess
dc.subjectTerritório - aspectos culturaispt_BR
dc.subjectLiteratura e sociedadept_BR
dc.subjectFronteira - aspectos culturaispt_BR
dc.titleTirar foto é fácil, quero ver quem se retrata: literatura, autorrepresentação e periferiaspt_BR
dc.typemasterThesispt_BR


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record